Preloader

Sociedade

Conheça os filmes escandinavos que disputam uma vaga no Oscar

segunda-feira, 7 de outubro de 2019
Conheça os filmes escandinavos que disputam uma vaga no Oscar

A cerimônia do Oscar 2020 será apenas no dia 9 de fevereiro, mas a disputa pelo prêmio de Melhor Filme Estrangeiro já começou. Nessa corrida estão representantes da Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia: neste ano, todos os países escandinavos apresentaram candidatos à estatueta.

Como tem sido praxe, a Academia responsável pelo Oscar divulgará em dezembro uma pré-lista com dez semifinalistas da categoria Melhor Filme Estrangeiro. Depois, no dia 13 de janeiro, vai revelar os cinco que de fato estarão na cerimônia, que será realizada em Los Angeles, nos Estados Unidos.

A lista de concorrentes escandinavos tem o dinamarquês Rainha de Copas, filme que está em cartaz no Brasil desde o mês passado e que tem feito muito sucesso em mostras internacionais. Conheça a seguir os concorrentes da Escandinávia. A relação abaixo traz os filmes não com seus nomes originais, mas com os utilizados para o mercado global.

RAINHA DE COPAS


País: Dinamarca
Sinopse: A Dinamarca é um dos países de maior sucesso na disputa pelo Oscar de Filme Estrangeiro, com 12 indicações ao prêmio e três vitórias até hoje. O país tentará a quarta estatueta com Rainha de Copas. Nele, a premiada atriz dinamarquesa Trine Dyrholm interpreta Anne, uma advogada defensora dos direitos de crianças e adolescentes que arrisca tudo para viver um relacionamento com Gustav, seu enteado adolescente. O drama dirigido pela dinamarquesa May el-Toukhy tem feito muito sucesso em mostras internacionais desde sua estreia. Um de seus grandes reconhecimentos ocorreu na edição deste ano do festival Sundance, considerado um dos mais importantes do mundo para o cinema independente, no qual o filme conquistou o Prêmio do Público. Rainha de Copas está em cartaz no Brasil, onde estreou em setembro com uma presença ilustre: o ator sueco Gustav Lindh, que interpreta Gustav, veio ao país especialmente para o lançamento.

STUPID YOUNG HEART


País: Finlândia
Sinopse: Com experiência no Oscar, a diretora finlandesa Selma Vilhunen concorreu em 2014 ao prêmio na categoria de Melhor Curta Metragem com Do I Have to Take Care of Everything? Agora, ela vai tentar disputar a estatueta com Stupid Young Heart (sem título em português), um drama sobre dois adolescentes que precisam lidar com a gravidez antes de estarem prontos para isso. Esta é a 33ª vez que a Finlândia apresenta um candidato para concorrer ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. O país ainda não conquistou o prêmio, mas chegou à lista de cinco finalistas uma vez, em 2003, com The Man Without a Past, e na pré-lista - uma espécie de "semifinalistas" do prêmio em 2015, com The Fencer.

A WHITE, WHITE DAY


País: Islândia
Sinopse: O drama dirigido por Hlynur Palmason, de 35 anos, se passa em uma remota cidade islandesa, onde um policial afastado do trabalho começa a suspeitar que um morador local tenha tido um caso com sua esposa, recentemente falecida. O longa islandês foi lançado na Semana da Crítica Internacional do Festival de Cannes, na qual Ingvar Sigurdsson (Ingvar Sigurðsson) levou o prêmio de melhor ator. A Semana da Crítica de Cannes é um bom termômetro para identificar jovens talentos: apenas diretores que estão lançando seu primeiro ou segundo longa podem participar. Se entrar na lista final, esta será a segunda vez que a Islândia disputará o Oscar de Filme Estrangeiro. Nas 40 vezes em que apresentou um candidato, o país chegou à relação de cinco finalistas em 1992, com Children Of Nature, e na pré-lista de 2013, com The Deep.

OUT STEALING HORSES


País: Noruega
Sinopse: Nome sempre presente em premiações internacionais do cinema, Hans Petter Moland tenta agora sua primeira indicação ao Oscar com Out Stealing Horses. No filme, ele repete mais uma vez a parceria com o ator sueco Stellan Skarsgård, conhecido por seu trabalho em produções hollywoodianas (Gênio Indomável, Amistad, Anjos e Demônios e a franquia Thor são apenas algumas delas). Skarsgård interpreta Trond, um homem que se recolhe no campo em 1999 logo após ficar viúvo para repensar sua vida. Nesse retiro, ele reencontra um conhecido do passado, e a história, com várias mudanças temporais, se desenrola como uma reflexão sobre nossa responsabilidade com os outros. A Noruega, que já apresentou um candidato ao Oscar de Filme Estrangeiro 40 vezes,  disputou o prêmio em cinco edições, mas ainda não levou o prêmio. Será que a estatueta vem dessa vez?

AND THEN WE DANCED


País: Suécia
Sinopse: Merab (Levan Gelbakhiani) ensaia na Companhia Nacional de Dança da Geórgia com sua parceira Mary (Ana Javakishvili). O equilíbrio entre a dupla é abalado com a chegada de Irakli (Bachi Valishvili), que se torna rival de Merab - e também seu alvo de desejo. Ao lado do dinamarquês, o cinema sueco é, entre os escandinavos, o mais premiado internacionalmente. Só ao Oscar o país já foi indicado 16 vezes à estatueta de Melhor Filme Estrangeiro. As três vitórias suecas foram com longas dirigidos por Ingmar Bergman: A Fonte da Donzela (1961), Através de Um Espelho (1962) e Fanny e Alexandre (1984).