Preloader

Sociedade

Dinamarca prescreve "vitamina de cultura" para tratar depressão

terça-feira, 13 de agosto de 2019
Dinamarca prescreve "vitamina de cultura" para tratar depressão

A Dinamarca decidiu usar a cultura para tentar um caminho diferente para tratar pessoas com depressão. Em uma abordagem batizada de Kulturvitaminer – ou, literalmente, “vitamina de cultura” –, pacientes com a doença estão sendo incentivando a participar de atividades culturais. A iniciativa está sendo aplicada em fase experimental nas cidades de Aalborg (foto), Silkeborg, Nyborg e Vordingborg.

Além de evitar o uso de remédios e seus efeitos colaterais, o”vitamina de cultura” não requer o envolvimento direto do pessoal clínico, mas pode ser administrado por leigos treinados. A abordagem envolve reunir pessoas em pequenos grupos para experimentar tudo, desde concertos a corais comunitários, segundo registra o blog do Fórum Econômico Mundial.

LEIA TAMBÉM:
Desemprego na Dinamarca é o menor em uma década - e isso é um problema
Copenhague e Helsinque aparecem entre as cidades com melhor qualidade de vida do mundo
Como a Finlândia uniu-se à indústria farmacêutica para tentar a cura para doenças genéticas

Na cidade de Aalborg, onde grupos de cantores fazem parte do programa, há um acordo com a orquestra sinfônica local para que os pacientes participem de ensaios e apresentações. Os cientistas dizem que ouvir música reduz o estresse e a ansiedade, ambos associados à depressão.

Os participantes também visitam galerias de arte e museus e participam de atividades criativas que comprovadamente desenvolvem resiliência. O programa também inclui sessões de leitura de histórias e passeios à beira-mar.

Desempregada, a assistente social Evy Mortenson, de 49 anos, passou por um longo período de problemas de saúde e insônia crônica. Ela conta que depois de vários contratos temporários, mas sem melhora em sua saúde, foi matriculada na Kulturvitaminer.

“Assim que entrei na reunião de boas-vindas, senti uma sensação de alívio. Foi uma experiência compartilhada e não havia expectativas, estávamos todos juntos em um espaço livre de julgamento”, contou ela ao jornal britânico The Guardian.

Os participantes são convidados a participar de duas ou três excursões culturais por semana durante dez semanas. Quem faz parte do grupo garante que, além dos efeitos benéficos das atividades individuais, compartilhar experiências com outras pessoas também ajuda muito na recuperação.

Até agora, 200 pessoas, a maioria mulheres com mais de 30 ou 40 anos, participaram do programa em Aalborg. Segundo Mikael Odder Nielsen, líder do curso na cidade, muitos pacientes não já participavam de atividades culturais havia anos. “Se você está deprimido, a cultura é frequentemente a primeira coisa com a qual você não se incomoda, você está preocupado demais em passar o dia. Meu papel é acostumá-los a esse mundo novamente, ou mesmo introduzi-lo pela primeira vez ”, disse ele ao The Guardian.

A abordagem dinamarquesa tem mostrado resultados promissores, segundo os pesquisadores. A depressão afeta 300 milhões de pessoas no mundo e, por ser a doença mais desabilitante que existe, de acordo com a Organização Mundial de Saúde, tem impactos sobre indivíduos e também sobre a riqueza das nações: estima-se que ela custe à economia global US$ 1 trilhão por ano.

(Foto: Getty Images)