Preloader

Sociedade

Dinamarca retoma um sonho: interligar suas grandes cidades com trens de alta velocidade

quinta-feira, 18 de julho de 2019
Dinamarca retoma um sonho: interligar suas grandes cidades com trens de alta velocidade

Se o ministro do Transporte da Dinamarca atingir seu objetivo, as futuras viagens de trem entre as cinco principais cidades do país não levarão mais de uma hora. Benny Engelbrecht, o ministro em questão, anunciou no início deste mês seu desejo de reativar um plano de 2014 que previa reduzir o tempo de viagem entre os principais centros populacionais dinamarqueses.

Caso a meta se concretize, o tempo de deslocamento pelo país poderá cair pela metade. Isso tornaria possível à Dinamarca - que, com território de quase 43 mil quilômetros quadrados, tem área equivalente à do estado do Rio de Janeiro - funcionar como se fosse uma única área metropolitana unificada de grande abrangência.

LEIA TAMBÉM:
Dinamarca inaugura seu primeiro trem de alta velocidade
Revolução silenciosa: balsas elétricas agora fazem a ligação entre Suécia e Dinamarca
Túnel submarino de US$ 8 bilhões vai ligar Dinamarca e Alemanha

O plano também revela algo que pode surpreender pessoas de fora que reconhecem a Dinamarca como um paraíso para os motoristas: pelos padrões (extremamente altos) da Europa Ocidental, a rede ferroviária da Dinamarca é lenta. Não é que as ferrovias dinamarquesas sejam ruins. Os serviços são confiáveis ??e pontuais, mas não são especialmente rápidos. Atualmente, o trem mais rápido de Copenhague para Odense, a terceira cidade da Dinamarca, percorre os 160 quilômetros dessa viagem em 76 minutos. Isso é respeitável, mas está muito atrás, por exemplo, da França, onde os trens entre Paris e Lille percorrem 225 quilômetros em apenas 59 minutos.

Afaste-se de Copenhague e as coisas pioram: são quatro horas e 21 minutos de trem de Copenhague até a cidade de Aalborg, no norte do país, a uma distância de 415km. Mais demorados do que os trens que vão de Londres, na Inglaterra, a Edimburgo, na Escócia (640km de distância), os dinamarqueses que fazem esse deslocamento ficam mais lentos pela ausência quase total de linhas elétricas na península da Jutlândia. Isso significa que frequentemente é mais rápido atravessar a Dinamarca de carro do que de trem, uma situação incomum pelos padrões europeus.

Algumas razões para essa relativa lentidão são geográficas. A Dinamarca é um país formado por muitas ilhas e penínsulas, com longas pontes e balsas. Para ir da ilha da Zelândia (onde Copenhague e quase metade da população do país estão localizadas) para o extremo norte do país, é preciso pegar uma balsa razoavelmente lenta ou fazer um desvio para o sul através de pontes na ilha de Funen. Isso diminui consideravelmente as coisas, um fato que os dinamarqueses toleram porque as distâncias e os tempos de viagem ainda não são tão longos.

Existem algumas maneiras bastante simples de acelerar os tempos de viagem. Um seria renovar e substituir um sistema de sinalização lenta. Outra seria a eletrificação completa de todas as linhas em todo o país. Algumas novas conexões, como uma ponte ou túnel que economiza tempo em todo o Fiorde de Vejle, na área continental, também poderiam acelerar as coisas sem obrigar o país a instalar linhas de alta velocidade.

Conectando Copenhague com Odense, Odense com Aarhus e Esbjerg, e Aarhus com Aalborg, os serviços de uma hora também quebrariam um limite psicológico importante. Eles tornariam as cidades regionais mais acessíveis e, portanto, menos propensas a desempenhar um papel secundário em Copenhague quando se trata de empresas que escolhem sua sede. Raspar quase 90 minutos de uma viagem de trem de uma ponta a outra do país também significa conectar melhor essas cidades à vizinha Suécia e à Alemanha.

A ideia ainda não tem garantia de poder seguir adiante. O plano original, de 2014, foi barrado no início deste ano pelo Partido do Povo, de extrema-direita, que integrou o último governo de coalizão da Dinamarca. Com uma nova coalizão, de centro-esquerda, eleita no mês passado, que tem o transporte entre suas bandeiras, o plano está de volta à disputa. As partes que o apoiam agora têm representação suficiente no Parlamento tentar aprovar essa meta.