Preloader

Sociedade

Dinamarca quer criar regulação sobre conteúdo produzido por influenciadores digitais

quinta-feira, 11 de julho de 2019
Dinamarca quer criar regulação sobre conteúdo produzido por influenciadores digitais

A Dinamarca pretende implementar um código para regular o conteúdo distribuído nas redes sociais pelos chamados influenciadores digitais. A decisão foi anunciada nesta quarta-feira pela ministra da Educação e Infância, Pernille Rosenkrantz-Theil. Não há, por ora, previsão de data para a implementação da medida.

O anúncio ocorreu na esteira de uma polêmica que envolveu Fie Laursen (foto), uma conhecida personalidade dinamarquesa, que divulgou no último em seu Instagram uma carta de suicídio. Fie, estrela de reality show e cantora, tem mais de 337 mil seguidores na plataforma.

LEIA TAMBÉM:
Finlândia é, mais uma vez, campeã global em confiança na imprensa
Escandinavos lideram ranking global de liberdade de imprensa
Suecos criam "Hatometen", o robô que combate o discurso de ódio nas redes

O que a ministra propõe é que os influenciadores passem a ser responsabilizados pelo conteúdo que publicam nos mesmos moldes adotados por veículos de comunicação tradicionais, como jornais e revistas. "Quando você atinge um certo número de seguidores, você passa a ter a mesma responsabilidade editorial que tem um profissional de um jornal ou outro veículo da velha mídia", disse Pernille à BBC

A postagem com a nota de suicídio ficou dois dias no ar até que a família de Fie conseguiu apagá-la. Antes de sua exclusão, a imagem havia recebido cerca de 30 mil curtidas e 8 mil comentários. Com a repercussão, cresceu no país o receio de que a postagem acabasse influenciando crianças e jovens a tirar a própria vida.

Fie Laursen sobreviveu à tentativa de suicídio e está hospitalizada. À TV 2, Anette Laursen, mãe da artista, manifestou sua preocupação com a política de administração de conteúdo do Instagram. "Gostaríamos que a publicação fosse eliminada, mas não foi possível. Dói, porque pensamos que poderia inspirar outros jovens", disse ela. O Instagram, que pertence ao Facebook, proíbe qualquer publicação que incentive ou promova suicídio ou automutilação.