Preloader

Meio Ambiente e Sustentabilidade

Para se manter aquecida, Finlândia terá que importar biomassa

sexta-feira, 7 de junho de 2019
Para se manter aquecida, Finlândia terá que importar biomassa

A Finlândia é o país com a maior cobertura florestal da Europa, o que faz dela rica em em biomassa, combustível desenvolvido a partir de materiais orgânicos, como florestas, partes de árvores e resíduos de plantas e animais. Mesmo com essa grande oferta de matéria-prima, é possível que, em breve, os finlandeses precisem em breve ter que importar biomassa.

Isso ocorre porque, no início deste ano, o país aprovou a proposta de, até maio de 2029, proibir o uso de carvão para a produção de energia. As empresas de energia terão agora de encontrar outras formas de manter os finlandeses aquecidos - e, por causa disso, a demanda por biomassa deve crescer 70% até lá. Atualmente, o carvão representa cerca de 20% da energia usada para aquecimento das residências finlandesas.

LEIA TAMBÉM:
Finlândia estabelece meta de se tornar livre de carbono até 2035
Com reciclagem e incineração, apenas 1% do lixo finlandês vai para aterros
Como a Finlândia fabrica roupa com madeira usada

Há planos para usar mais gás natural para produzir calor, mas eles têm de alcance limitado. Outras fontes de calor, como a energia geotérmica e a solar, ainda não são comercialmente viáveis ??na Finlândia, o que significa que as empresas de energia não têm a tecnologia para efetivamente usar essas fontes e obter lucro.

Muitos especialistas acreditam que o uso de mais biomassa é a maneira mais econômica de atender às necessidades futuras de energia do país. Segundo o serviço de consultoria de gestão Poyry, que aconselha o governo sobre as necessidades de energia, indústria e serviços públicos, o país precisará de 64 terawatts-hora de biomassa em 2030 apenas para a produção de energia. O uso atual é de 38 terawatts-hora. No entanto, espera-se que a oferta de biomassa da Finlândia cresça apenas oito terawatts-hora entre hoje e 2030.

Como resultado, Poyry diz que o país terá que importar biomassa, assim como melhorar sua gestão de florestas. A consultoria afirma também que a Finlândia precisará depender mais de resíduos de plantas colhidas para obter energia.

O maior grupo de interesses especiais da Finlândia sobre questões energéticas, o Energia, também prevê grande aumento no uso de biomassa nos próximos anos. “É um pouco estranho que a Finlândia tenha uma política energética que nos torne um importador líquido de biomassa. Somos um país da floresta", disse à agência Reuters Jukka Leskelä, que comanda o grupo.

As florestas cobrem 75% das terras da Finlândia. Mas o número de árvores colhidas é limitado por lei, com a maior parte da madeira economizada para a indústria de celulose. O governo seria incapaz de adicionar muito mais oferta para uso de energia.

“A pressão é limitar o uso de madeira (doméstica). Ela normalmente é usada nas regiões onde há muita madeira e menos pessoas, mas agora estamos falando de cidades com muito pouca floresta e muitas pessoas", diz Riku Huttunen, chefe do escritório de energia da Finlândia. "É evidente que precisamos importar.”