Preloader

Meio Ambiente e Sustentabilidade

Alga tóxica se alastra e dizima criadouros de salmões na Noruega

quinta-feira, 23 de maio de 2019
Alga tóxica se alastra e dizima criadouros de salmões na Noruega

Milhões de salmões de cativeiro morreram nos últimos dias no norte da Noruega devido à proliferação de uma alga tóxica que ainda não foi possível controlar, informaram autoridades e profissionais do setor nesta quarta-feira (22/5). Desde meados de maio, o país perdeu 11,6 mil toneladas de salmão nas estruturas (jaulas de rede) submersas instaladas nos fiordes de Nordland e Troms, segundo as últimas estimativas da Direção de Pesca da Noruega.

Os criadouros estão sendo dizimados por algas (unicelulares) da família dos haptófitos, um fitoplâncton muito comum em águas norueguesas, mas que, sob certas condições, pode proliferar-se a ponto de asfixiar os peixes em suas "jaulas". São milhões de animais mortos - e milhões de coroas em prejuízos.

LEIA TAMBÉM:
Após incêndios de 2018, pequeno besouro é nova ameaça às florestas suecas
Noruega refuta declaração do governo brasileiro sobre o Fundo Amazônia
Aquecimento global ameaça 90% das espécies de animais na Islândia

A considerar o preço de venda atual, as perdas equivalem a 620 milhões de coroas (ou quase R$ 290 milhões), segundo as autoridades governamentais da indústria da pesca. Mas os prejuízos podem ser até maiores. "É muito cedo para dizer qual o tamanho das perdas para os produtores. Os números preliminares apontam para 8 milhões de peixes mortos, correspondendo a 40 mil toneladas de salmão que não chegam aos mercados”, disse Paul Aandahl, analista do Seafood Council.

E a estimativa também é prematura porque as algas ainda estão se alastrando. "A proliferação não terminou", informou a Direção de Pesca, em comunicado, segundo a agência AFP. A Noruega é o maior produtor mundial de salmão de cativeiro, com um total de 1,3 milhão de toneladas em 2018, de acordo com o Centro de Produtos do Mar do país - que, aliás, já sofreu um episódio similar em 1991. 

Para tentar limitar os prejuízos, os piscicultores se lançaram em uma corrida contra o relógio para deslocar, ou sacrificar, os peixes antes que as algas se espalhem ainda mais pelos criadouros. O incidente contribuiu para o aumento do preço do salmão: em apenas uma semana, a alta chegou a 5,7%. Hoje, seu preço estava em mais de € 6,7 (cerca de R$ 30) o quilo.