Preloader

Inovação

Conheça a Koenigsegg, a fabricante sueca de supercarros que quer desbancar a Ferrari

quarta-feira, 13 de março de 2019
Conheça a Koenigsegg, a fabricante sueca de supercarros que quer desbancar a Ferrari

Aos cinco anos de idade, quando morava nos subúrbios de Estocolmo, Christian von Koenigsegg assistiu ao desenho animado norueguês Flåklypa Grand Prix. No filme, um técnico de bicicletas, com a ajuda de amigos, fabrica seu próprio carro de corrida, compete contra marcas estabelecidas e vence. A história deu ao pequeno Christian a ideia de criar seu próprio carro esportivo. "Lembro-me de sair do cinema e dizer 'é isso que quero fazer quando crescer'", contou Christian von Koenigsegg à BBC em 2014.

Seu sonho de criança começou a virar realidade em 1994, quando, aos 22 anos, o empreendedor, que hoje tem 46, criou a Koenigsegg Automotive AB, empresa que se impôs a missão de criar os carros mais rápidos do planeta. A meta foi atingida em 2005, quando o modelo Koenigsegg CCR entrou para o livro Guinness ao chegar à velocidade de 389km/h, a mais alta do mundo até aquele momento. O carro superou um recorde do McLaren F1 que já durava nove anos, como relembra o site Seier Capital.

LEIA TAMBÉM:
Na Suécia, carros a diesel ou gasolina serão peça de museu a partir de 2030
Na luta contra mudanças climáticas, Dinamarca compra carros velhos para tirá-los das ruas
Com forte incentivo do governo, Noruega vive a revolução dos carros elétricos

A ideia de criança tornou-se um negócio milionário. Todos os três modelos da marca hoje em produção - Regera, Agera RS e One:1 - são feitos de maneira artesanal pelos 225 trabalhadores da fábrica localizada na cidade sueca de Angelholm. Os carros, que custam em torno de US$ 2 milhões cada um, são entregues com chassis e motores gravados com a assinatura da pessoa que os construiu.

Neste ano, Koenigsegg Automotive recebeu uma injeção de capital chinês que vai aumentar sua capacidade de produção - hoje, limitada a 12 a 14 unidades por ano - e criar uma nova linha de atuação. A mudança ocorreu em janeiro, quando a incorporadora chinesa Evergrande, do magnata Hui Ka Yan, pagou US$ 930 milhões por 51% da antiga Saab – agora National Electric Vehicle Sweden AB (NEVS). Com o negócio, os chineses ficaram com os principais ativos da empresa sueca, mas sem poder usar a marca Saab.

A nova estratégia da NEVS incluiu a assinatura de acordo com a Koenigsegg. O investimento servirá para montar um modelo "mais barato", a ser vendido por menos de US$ 1 milhão, produzido a partir de 2021 na antiga planta da Saab em Trollhattan. Christian espera aumentar sua produção anual para centenas de veículos.

"A parceria consiste basicamente em termos um pouco mais de volume - ainda assim, um volume muito baixo, de algumas centenas de unidades por ano - com um carro de menos de US$ 1 milhão. Ele poderá custar de US$ 600 mil a US$ 800 mil, dependendo da especificação. Estamos trabalhando nesse projeto há dois anos e percebemos que, para fazê-lo corretamente, precisávamos de um investidor", disse Koenigsegg, segundo o site R&T. "Foi quando a NEVS bateu à nossa porta dizendo que sua nova estratégia incluiria investir em tecnologia automotiva sueca."

Com sua parceria, que permitirá produzir mais automóveis, e o lançamento de modelos como o Jesko, apresentado neste mês no Salão de Genebra como sucessor do Agera RS, atual recordista mundial de velocidade, a montadora sueca tem o objetivo declarado de superar o domínio de marcas como a Ferrari no mercado de supercarros. Que ninguém duvide das ambições do homem que começou a sonhar com isso aos 5 anos de idade.