Preloader

Meio Ambiente e Sustentabilidade

Qualidade do ar de Islândia e Finlândia é a melhor do mundo, diz estudo

quinta-feira, 7 de março de 2019
Qualidade do ar de Islândia e Finlândia é a melhor do mundo, diz estudo

Líder em iniciativas de redução da emissão de poluentes e do aquecimento global, a Escandinávia colhe os frutos desses esforços em um novo levantamento: o que mede a qualidade do ar no mundo. Todos os quatro países da região avaliados apareceram no topo do ranking. Além de Islândia (foto) e Finlândia, que ficaram, nessa ordem, nas duas primeiras posições, a Suécia, em quinto, e a Noruega, em sexto, também apareceram entre os dez primeiros colocados.

O estudo, que acaba de ser divulgado, foi elaborado em conjunto pela organização Greenpeace e a empresa de software AirVisual. Nele, os pesquisadores fizeram medições das chamadas partículas PM 2,5 (ou 2,5 micrômetros, medida de referência para identificar a presença de poluentes em nevoeiros e na fumaça; ela difere da PM 10, de partículas maiores, encontradas em regiões próximas a indústrias).

LEIA TAMBÉM:
Gotemburgo, na Suécia, é o destino turístico mais sustentável do mundo; veja ranking
Para combater mudanças climáticas, a Dinamarca até enterra CO2
Noruega vai inaugurar neste ano o maior prédio de madeira do mundo

Ao todo, o levantamento avaliou mais de 3 mil cidades, distribuídas em 73 países. Bangladesh, Paquistão e Índia ficaram nas últimas posições, e nada menos que 18 das cidades mais poluídas do mundo ficam nesses três países. O Brasil apareceu em uma posição intermediária, em 44º (no ranking, os primeiros colocados foram os que apresentaram ar de pior qualidade; por isso, no original, Islândia e Finlândia apareceram, respectivamente, em 73º e 72º).

No estudo, o Greenpeace lembra a estimativa da Organização Mundial da Sáude de que há 7 milhões de mortes no planeta por ano causadas pela emissão de poluentes. "A poluição do ar rouba a nossa saúde, mas nós podemos mudar isso. E, além das perdas de vidas humanas, há um custo estimado de US$ 225 bilhões em trabalho perdido e trilhões em custos médicos. Isso tem um enorme impacto em nossa saúde, mas também em nossos bolsos", disse, em comunicado, Yeb Sano, diretor executivo do Greenpeace no Sudeste Asiático

A também escandinava Dinamarca, internacionalmente reconhecida por suas iniciativas de combate à emissão de poluentes, não fez parte do levantamento.

Clique aqui para ver o estudo completo.